Comparece em mim, venha trincar minha alma com seus lábios rachados. Reparto-me para que você encontre um espaço para se acomodar. Confunde meus sentidos, mas não me pergunte se estou bem. Seus lábios rachados com o sabor da sua necessidade emocional. Sempre que tu voltas, leva muito de mim. Sou como um poço de aguá que só procura quando estás com sede. Esvazio-me com cada gota tomada e não sou abastecida. Não me completas, apenas me dividi. Bebo sua lagrimas sujas que saem do seus olhos descompostos, e me queimam por dentro. Minha expressão de dor é notável, quando meu rosto encontra-se com o teu, somos vultos que unir-se no escuro do quarto. Marcas de unhas assinala a avidez de te ter, embriagada pelo o perfume da tua barba. Te encontro no meu esconderijo, só queria que você olhasse para além do que eu mostro ser. Decifra-se a voz do meu silêncio, cada palavra que escrevo implora para que você fique, porém aceno da janela, e assisto sua partida. Beberei meu café e pegarei um livro da minha coleção, imaginarei você como protagonista, daqueles que dizem “eu te amo” para mocinha. Sentarei e te esperarei, eu te aceito, uma,duas, mil vezes. Até onde eu puder, até secar. Até você esquecer de ir embora.
Perfazia 

(Fonte: perfazia, via expressao)